Das Profundezas – Parte 1

No post anterior:
Os outros homens – e mulheres – mais rápidos do mundo! O legado dos Flashs vai muito além de passar o manto de pupilo para pupilo. Toda uma geração de bravos heróis com supervelocidade surgiram através dos tempos para salvar o mundo. Mas, supervelocidade também foi o poder de muitos vilões que infernizaram a vida dos Flashes ao longo das eras.



“Enquanto isso, na banda desenhada...” é uma seção que traça um paralelo entre o universo real e o mundo dos quadrinhos, analisando como as duas realidades afetam uma à outra, trazendo informação e estimulando a reflexão acerca dessa 8ª arte.


Era de Ouro
O período inicial da história dos quadrinhos de super-herói não é chamado de “Era de Ouro” à toa. Foi nesse período que os quadrinhos desenvolveram suas primeiras bases para o gênero e, portanto, quando surgiram as histórias realmente “originais”. Ou seja, todos os poderes básicos que você possa imaginar (superforça, vôo, disparos dos olhos ou das mãos, poderes sobrenaturais, dons vindos dos deuses, aparelhos sofisticados, supervelocidade, arma ou dispositivo que dá superpoderes), as origens que você conheça (vindo de outro planeta, tendo sofrido um acidente, parte de um experimento secreto, um robô, meio homem, meio alguma coisa) e as características mais comuns dos super-heróis até hoje (dupla identidade, interesse amoroso, combate ao crime, supervilões, parceiro mirins) surgiram durante este período. No entanto uma característica bastante única, por assim dizer, foi pouco repetida ao longo das décadas – por diversos fatores: A habilidade de respirar debaixo d’água.

Existem dois personagens que deram origem à essas habilidades: Namor, O príncipe Submarino e Aquaman. Até hoje existe uma certa “rivalidade” entre esses dois personagens para com seus fãs que vai além da similaridade de poderes. Quem veio primeiro? Um é plágio do outro? Existe alguma relação, direta ou indireta entre os dois, além do conceito similar? Quem copiou quem? É o que veremos a seguir.

Namor, O príncipe Submarino foi criado por Bill Everett em 1939, na revista Marvel Comics nº1, da Editora Timely Comics (precursora da Marvel Comics) no mesmo ano de criação de Batman. Em sua origem, pouco antes da Segunda Guerra Mundial, um navio de Exploradores detonou cargas no fundo do oceano para poderem seguir o caminho onde estavam investigando restos de uma civilização perdida. Mal sabiam eles que eles haviam atacado uma cidade que era parte de um reino submarino onde viviam criaturas inteligentes (mas que originalmente não era a "Atlântida"). A princesa do reino toma uma poção que lhe permite respirar fora da água para dialogar com os humanos, mas acaba se apaixonando pelo capitão da embarcação, e dele tem um filho (antes, o capitão é assassinado pelo próprio pai dela, pensando que ela havia sido raptada pelos humanos). Assim, tempos depois, nasce Namor, com asas nos pés, superforça e anfíbio. Em seus primeiros anos, apesar de ser um anti-herói que possuía uma verdadeira antipatia pelos seres da superfície, acabou se unindo à super-heróis terrestres como o Tocha Humana original para encarar histórias durante a Segunda Guerra.

Aquaman surgiu em 1941 (mesmo ano que a Mulher Maravilha) na revista More Fun Comics nº73. Originalmente, Aquaman era Arthur Curry, filho de um cientista e explorador aquático que, após perder a esposa, saiu com seu filho pelos mares e encontrou restos de uma civilização subaquática que ele acreditou ser Atlântida. Através dos estudos dos restos dessa antiga civilização, o pai de Arthur foi capaz de ensiná-lo e torná-lo, através de suas descobertas, capaz de retirar oxigênio da água apenas respirando-o, além de força descomunal necessária para cruzar as distâncias oceânicas e as pressões do fundo do oceano, e a habilidade de se comunicar com as criaturas do oceano em suas “línguas nativas”. Em suas primeiras aventuras, o pai de Aquaman já havia falecido e ele se dedicava a explorar o oceano, eventualmente se deparando com diversas aventuras. Seus companheiros eram, na maior parte, criaturas marinhas que andavam com ele.

Assim como aconteceu com a grande maioria dos personagens da Era de Ouro, tanto Namor quanto Aquaman acabaram esquecidos e pararam de ter suas histórias publicadas. Era o fim de uma Era de Maravilhas e o fim das histórias submarinas. Mas não por muito tempo.

Epílogo: Curiosidades
- O criador de Namor, Bill Everett diz que criou o personagem inspirado num poema chamado “The Rime of the Ancient Mariner” (A balada do antigo marinheiro), de Samuel Taylor Coleridge que descreve os relatos sobrenaturais vivenciados por um marinheiro durante uma longa viagem pelo mar. Este poema marca o início da Literatura Romântica Inglesa;
- Bill Everett também é co-criador do Demolidor;
- Ainda sobre o autor de namor, seu nome original era “Willian Blake Everett”, não por acaso, ele era descendente do poeta Willian Blake;
- Marvel Comics nº1 , em que Namor estreou, também trouxe a estréia de outro personagem: Tocha Humana (o original). Namor, Tocha Humana e Capitão América são os pilares fundamentais da hoje conhecida Marvel Comics (a “verdadeira” trindade da Marvel);
- Namor é possivelmente o primeiro anti-herói das histórias de super-herói;
- Originalmente, a habilidade de Aquaman de falar debaixo d’água não era telepática; ele sabia entender e falar a “língua nativa” das criaturas do mar, e era assim que se comunicava (mas precisava estar próximo deles para que eles pudessem “ouvi-lo”;
- Como você deve ter percebido pela matéria, Aquaman era originalmente humano, sem nenhuma ligação direta com Atlântida (que, nas histórias originais, era uma civilização perdida, que supostamente não existia mais).
- Aquaman talvez seja o herói mais conhecido da DC Comics, depois da trindade Superman-Batman-Mulher Maravilha, principalmente devido às gozações feitas pelo Cartoon Network durante anos em seus comerciais (mas que também ajudou consolidar a má reputação que o personagem tem até hoje);






A seguir:
Uma era acaba, outra começa. E, nessa nova era, nossos heróis ressurgem. Mas quão diferentes eles estão? Serão eles realmente os mesmos heróis do passado? Na próxima semana, Das Profundezas traz a Era de Prata.

Nome do Autor

Rafael Rodrigues

Filósofo, redator publicitário, promotor da ciência, roteirista de quadrinhos, professor de informática e pseudoblogueiro. Um homem que gosta de coisas simples, como Quadrinhos, Cinema e Ciência. Sabe, coisas normais.

Leia Mais sobre Rafael Rodrigues...
Related Posts with Thumbnails
blog comments powered by Disqus