Noite na Taverna

“E que me importa o sonho da morte? Meu porvir amanhã seria terrível: e à cabeça apodrecida do cadáver não ressoam lembranças; seus lábios gruda-os a morte; a campa é silenciosa. Morrerei!
Noite na Taverna





Tema Macabro




Eu nunca gostei de literatura brasileira, mas nunca soube ao certo o porquê. Talvez por ter iniciado com alguns livros que, à época, considerei ruins, talvez por achar que os temas se repetiam demais e eu não via muita originalidade, mas creio que é bem mais provável que foi por conta do velho hábito dos professores de querer nos fazer gostar de algo enfiando-nos goela abaixo. Como sempre tive problemas em simplesmente acatar qualquer solicitação sem entender o porquê da mesma, isto era um problema para mim, que me fez relutar, por muito tempo e até ter certa aversão à literatura clássica brasileira.

Mas o tempo resolve tudo e eu, que sempre gostei de ler quadrinhos, não demorei muito para dedicar parte do meu tempo também à literatura. Embora até hoje não seja grande fã de muitos clássicos que os intelectuais consideram obras primas, tem uma obra que me marcou, justamente por fugir daquilo que eu considerava maçante e se dedicar a temas que só muitos anos mais tarde entenderia que caracterizavam o gênero de terror. Esta obra é Noite na Taverna.

Para quem não conhece, ou ainda não leu, Noite na Taverna é de autoria de Álvares de Azevedo, integrante da segunda geração romântica brasileira (conhecida como ultrarromantismo ou mal do século), cuja principal característica era fugir do nacionalismo e outras características do romantismo original, trazendo o pessimismo do século 19 para a literatura em obras que passavam por temas como incesto, morte, embriaguez, misticismo, sobrenatural e a fuga da realidade e influenciadas principalmente por autores como Lord Byron, Ernst Theodor Amadeus Wilhelm Hoffmann e Percy Bysshe Shelley, os expoentes do romantismo europeu da época. Álvares de Azevedo é um dos principais representantes desta fase literária, e tem entre suas outras obras mais conhecidas, Lira dos Vinte Anos e Macário.

Depois da rápida aula de história da literatura, vamos à obra propriamente dita. Noite na Taverna, como o próprio nome sugere, nos mostra um cenário noturno onde somos apresentados à cinco personagens (Solfieri, Bertram, Gennaro, Claudius Hermann e Johann) durante uma noite em uma taverna regada a bebidas, conversas em alto tom e histórias inusitadas. Cada personagem conta sua história, uma mais fantástica e sinistra que a outra, até que enfim chegamos à uma inesperada conclusão.

Noite na Taverna apresenta sete contos que acabam fazendo parte da mesma narrativa, onde começamos e terminamos na taverna, num exercício muito criativo de escrita. A obra é curta, do tipo que pode-se ler em períodos de intervalos do cotidiano, como no almoço, no ônibus, etc. Talvez para os leitores mais jovens o uso recorrente dos textos em verso e a linguagem portuguesa antiga possam dificultar um pouco a leitura (principalmente para os mais preguiçosos), mas nada que atrapalhe a experiência.

Para quem acha que literatura brasileira se resume apenas a livros enormes e chatos sobre a aristocracia vitoriana ou as dificuldades do nordeste, Noite na Taverna é uma ótima pedida. Atualmente pode ser encontrada em versão de bolso publicada pela L&PM Pocket a um preço bastante acessível.

Curiosidade:
- Percy Bysshe Shelley, um dos principais poetas românticos ingleses e um dos inspiradores do ultrarromantismo brasileiro foi marido de Mary Shelley, autora do clássico Frankenstein.


Na próxima Madrugada:
Uma casa como outra qualquer. Mas que esconde um segredo mais aterrorizante do que qualquer outra coisa que se poderia imaginar. Na próxima semana, visitaremos as Criaturas Atrás das Paredes.

Nome do Autor

Rafael Rodrigues

Filósofo, redator publicitário, promotor da ciência, roteirista de quadrinhos, professor de informática e pseudoblogueiro. Um homem que gosta de coisas simples, como Quadrinhos, Cinema e Ciência. Sabe, coisas normais.

Leia Mais sobre Rafael Rodrigues...
Related Posts with Thumbnails
blog comments powered by Disqus